segunda-feira, 13 de junho de 2011

AMANHECER


Os raios de luz de um sol tão frio
Atravessam a cortina do quarto
E ferem minha pele feito navalha.
Outra manhã vazia
Outro dia que amanhece
Outro dia que agoniza
Já implorando para terminar.
O vento frio da tarde
Arranca de mim
Todo o resto de sonho
Todo o resto de sono.
A noite cai
E, com ela, o peso do mundo
A luz do luar
Na ponta da nuvem
Me protege da escuridão
Dá-me tua mão
Leva-me daqui
Embala meus pesadelos
Mas não me deixa amanhecer novamente.

3 comentários:

  1. e é assim mesmo, "a noite cai e, com ela, o peso do mundo..."
    por isso os fardos ficam sempre muito mais pesados à noite... ='(

    Perfeito!

    =*

    ResponderExcluir